NewsLetter:
 
Pesquisa:

Teje Enquadrado!
Por Ruy Jobim Neto
23/08/2006

Marko Ajdarić, aos 44 anos, tem o coração baiano, a verve jornalística, o sangue sérbio e a alma completamente quadrinística. Enquadre-se, pois! O evento que o criador do Neorama - a maior newsletter de HQ do planeta - deu vida, é um sucesso desde a primeira edição e chega à segunda com maior ímpeto e público do que nunca. Marko (à esquerda, na foto - ao lado de Renato Lima) não pára, e assim é o seu mais novo filhote, sua mais nova menina dos olhos: o Enquadrando, a reunião bimestral acerca dos lançamentos, dos novos projetos, das homenagens e das figuras das Histórias em Quadrinhos nacionais e internacionais. Sucesso puro e pura nitroglicerina.
 
E olha que com o aparato de data show da Gibiteca, uma equipe dedicada, o Enquadrando deu palhinhas como o trailer do divertidíssimo Wood & Stock, de Otto Guerra, filme-sensação do último Anima Mundi e do recém-terminado Festival de Gramado. E olha que havia desta vez, na segunda edição, uma brilhante exposição bem próxima da porta central da Gibiteca, aos olhos do público, de desenhistas brasileiros fazendo todo tipo de material para outros países, a exemplo de Junião, Bira, Baptistão, os gêmeos Bá e Moon e, para o meu deleite pessoal, duas páginas de Luis Podavin para a Disney européia. 
Eu mesmo estive enquadrado na primeira edição. A convite do jornalista, falei sobre a Campanha de Livros para Timor-Leste, que continua mais forte do que nunca. Na segunda edição (não mais na Devir, mas sim no "palácio dos quadrinhos", a Gibiteca Henfil) meu Jornal do Jarbas foi amplamente distribuído, falando sobre Timor-Leste e a campanha de livros. Só tenho a agradecer ao Marko, mas isso ainda nem é o mais importante.
 
Personalidades do mundo dos quadrinhos passaram pela mesa e pelos microfones do Enquadrando. Desde o mestre Rodolfo Zalla (que já esteve na primeira edição, e que retornou à segunda para falar do Ethernauta), à desenhista Julia Bax, ao quadrinista Sam Hart, o ilustrador Orlando, o cartunista Spacca (criador do premiadíssimo Santô), ao jornalista Gonçalo Junior, ao jornalista Álvaro de Moya, aos cartunistas Bira Dantas e Marcio Baraldi, ao ilustrador Daniel Bueno, ao cartunista JAL (José Alberto Lovetro) – criador do HQ Mix com Gualberto Costa -, ao jornalista Audálio Dantas, que falou sobre o livro acerca de Mauricio de Sousa. E muitos outros estiveram ao lado de Ajdarić, diante de grande público, contando suas boas novas. Muitos fanzineiros distribuíam material novo, muitos jornalistas de sites tropeçavam em mais e mais contatos.
 
Nisso, o Centro Cultural São Paulo também ganha. Bem como a Gibiteca. Pelo que parece, o terceiro Enquadrando será em dezembro, no mesmo mês da tradicional Pizzada dos Cartunistas (na Pizzaria Prestíssimo). O fundamental sobre o evento de Ajdarić é que cria novo espaço para reunião de uma classe que, como muito bem definiu o caricaturista Gepp – numa palestra no Memorial da América Latina -, compõe-se de solitários e tímidos que vivem com o nariz na prancheta e ao lado do telefone. Para esse povo do humor que se vê, em geral, no Angelo Agostini, no HQ Mix, no Salão de Humor de Piracicaba e na Pizzada (com exceção de outros salões por aí, o Anima Mundi ou aniversários de uns ou outros), o Enquadrando vem bimestralmente preencher uma lacuna considerável.
 
Para quem já viu Marko Ajdarić, ao vivo, criando durante a madrugada inteira a sua página trissemanal, o Neorama dos Quadrinhos, ver o público ávido por novidades em plena Gibiteca é um sopro de estímulo. Munido inclusive de outro filhote da sua newsletter, o blog novíssimo do Neorama divulga instantaneamente as fotos de um evento, desde já vitorioso. E tantas palavras só podem ser corroboradas pelas do JAL, ao dizer que muitos dos espectadores do Enquadrando são e foram alunos de diversas oficinas de quadrinhos que ele, o sócio e cartunista Gualberto Costa, o Prof. Dr. Waldomiro Vergueiro e a Profa. Sonia Luyten costumam ministrar na Gibiteca.
 
Muitos desses alunos estão lançando seus primeiros trabalhos, e JAL disse a eles que se mantivessem sob o formato de grupo. Estando em grupo, eles ganham mais força, e podem se movimentar mais rapidamente em eventos e publicar, desenhar, editar, roteirizar com mais ânimo e garra. E, quem sabe, qualquer dia desses, também, com data show projetado, esses artistas estejam se sentando na mesa do Enquadrando para serem apresentados ao público de quadrinhos por Marko Ajdarić.
 
(Foto de Tiago Souza)

 Do mesmo colunista:
Novos ventos sopram sobre Mônica e Panini

Wood & Stock não tem preço

Noticias animadas, outras nem tão animadoras

A hora e a vez das tirinhas brasileiras

Quadrinhos e História: tudo a ver

Vamos falar de Rian

Plim-plins: Por quais globais os sinos tocam?

Patoruzito: E o Mercosul que não acontece...

Animação: O dia de conspirarmos contra a conspiração

O projeto que não se completa

Comédia. A fronteira final (parte 3)

Comédia. A fronteira final (parte 2)

Comédia. A fronteira final (parte 1)

Kika e Airon: nem toda donzela tem um pai que é um fera

Os múltiplos traços de Sergio Morettini

Miécio Caffé - a memória em nanquim (uma crônica possível)

A animação brasileira à beira do esquecimento?

O mundo batráquio de Ran, de Salvador Messina

Quadrinhos de Arte por Roy Lichtenstein

Os Homens da Central de Tiras, um review

A nova fantasia do mestre Miyazaki

Quadros de ontem e de hoje

Canini trazido à baila. Mas falta exatamente Canini

Quem Somos | Publicidade | Fale Conosco
Copyright © 2005-2017 - Bigorna.net - Todos os direitos reservados
CMS por Projetos Web