NewsLetter:
 
Pesquisa:

Os Dez Melhores Gibis de Linc Nery
Por Marcio Baraldi
18/07/2010

Quem escolheu seus dez Quadrinhos preferidos esta semana foi o publicitário e roteirista carioca Linc Nery, criador do personagem Jou Ventania. Como grande fã de Batman que é, Nery não podia deixar de fora de sua lista algumas obras clássicas do Morcegão. Além de Batman ainda tem Super-Homem, Homem-Aranha, Wolverine e Turma Titã, ou seja, a praia principal do caboclo e mesmo os super heróis. Porém, uma boa surpresa em sua lista e uma HQ antiquíssima da Mônica, com uma bonita mensagem de tolerância. Quem lembra desse clássico da dentucinha? Confiram a seguir!

Os Dez Melhores Quadrinhos de Todos os Tempos

por Linc Nery

01 – Batman – O Cavaleiro das Trevas - Frank Miller
Essa obra de Frank Miller revolucionou o mundo dos heróis e colocou Batman no topo! Ao abrir a primeira edição da mini-série, o leitor já percebe de alguma forma que está vendo algo especial, e que ao passar os quadros a verdade é só uma: “Isso vai dar merda”! Nada de heróis bonzinhos, Batman nesta obra e tão humano que deixa de lado sua própria humanidade para continuar aquilo que e sua verdadeira razão de existir. E na batalha com Super-Homem, ele dá um chute na sua pátria-mãe, os EUA, mostrando que ele não é o herói que querem, mas o que precisam. Mostra que ele é mais do que um herói, ele é um Cavaleiro das Trevas!

02 – Batman: A Piada Mortal - Allan Moore e Brian Bolland
Dá pra fazer uma lista de melhores histórias só com Batman e Watchmen, mas vamos deixar só o "top de linha" do Morcego em minha opinião. Se tem uma HQ que eu curto é essa!!! O Coringa de Alan Moore é altamente filosófico, essa HQ cai como uma luva para várias disciplinas universitárias, tanto que já a utilizei numa pesquisa de análise de Estudos Culturais e numa peça teatral para o extinto grupo Bondefú.
Alan Moore nos diz nessa HQ que os heróis não servem para nada, são apenas vitimas como todos nós. Sob o olhar de um Batman impotente, vemos a destruição da Batgirl, uma personagem sem utilidade para os tempos atuais (mas, que a mídia insiste em reaproveitar), e o Coringa realmente agindo como um psicopata, que ao mesmo tempo que e cruel, também traz uma doçura em si. E uma personalidade feita com camadas. Quem somos nós para dizer que não nos tornaríamos alguém como o Coringa se passássemos pelas mesmas tragédias que ele passou?!? Os diálogos entre Batman e Coringa são definitivos, tanto que serviram de base para o filme O Cavaleiro das Trevas, de Christopher Nolan. Pena que Moore não escreveu mais Batman.

03 – Super-Homem: Para o Homem que tem tudo... - Alan Moore e Dave Gibbons
Se os Titãs não tiveram a sorte de ter sua melhor história adaptada para os desenhos animados, com Super-Homem isso não aconteceu, já que essa HQ foi animada para passar na serie "Liga da Justiça: Sem Limites". Só por ser escrita por Alan Moore já é um prato cheio, mas ver a interação com Batman, Robin e Mulher-Maravilha numa versão mais adulta que a dos SuperAmigos é um deleite, que você toda hora tem vontade de dar uma olhada de novo. O dialogo entre os personagens na primeira página já mostra pra que veio:
Mulher-Maravilha: "Vamos entrar antes que vocês dois congelem."
Robin: "Nós? E ela vestida desse jeito?"
Batman: "Tenha pensamentos limpos, garoto!"
E ao se virar, Batman dá um sorriso bem sacana.

04 – Os Novos Titãs: O contrato de Judas - Marv Wolfman e George Perez
Mais uma HQ clássica que desconstrói o mito do super-herói. Nela vemos a personagem Terra se mostrar uma tremenda vagabunda, o Exterminador mostrando a que realmente veio, arrebentando com toda a equipe, e Dick Grayson largando a cueca verde para se tornar Asa Noturna, além de Estelar, sempre bela e sem exageros na mão de George Perez. Pena que a Warner voltou atrás e decidiu não fazer uma animação para DVD deste clássico, pois seria algo digno da equipe depois do “animê” para crianças que enfureceu os fãs das antigas.

05 – Homem-Aranha e Wolverine: Maré Alta - Christopher Priest, Mark Bright e Al Williamson
Essa história foi por muito tempo considerada a melhor com os dois personagens, e realmente é! Aqui temos o Wolvie como protagonista numa época em que não era da primeira linha da Marvel, e isso quer dizer, que nessa época, ele realmente usava as garras para fatiar seus oponentes, e demonstrava uma mentalidade psicótica, deixando o bom moço Homem-Aranha aterrorizado com suas ações.

06 – Crise nas Infinitas Terras - Marv Wolfman e George Perez
Outra HQ que eu ouvia muito falar, mas que só li tempos depois em uma republicação, e que sem dúvida chamou atenção. O leitor realmente tem a impressão de que está vendo o fim de um universo ao olhar os quadrinhos, e colocar os personagens menos conhecidos da editora no começo do épico também foi algo muito interessante. Pena que a DC se interessou em posteriormente anular certos eventos marcantes de Crise, como a morte do Barry Allen, por exemplo.

07 – Homem-Aranha: A última caçada de Kraven - J.M.DeMatteis e Mike Zeck
Para mim só ver o Aranha no uniforme negro em um acabamento especial (lembrando que naquela época não tínhamos muitas edições luxuosas assim), já era um prato cheio, mas ver o jogo louco que Kraven cria para o herói, além dos desenhos marcantes foi impressionante! Até achei que era uma edição alternativa na época, e pegar uma bucha como o Kraven e transforma-lo num vilão de primeira grandeza, é o suficiente para estar em qualquer lista de bons quadrinhos.

08 – Super-Homem e Homem-Aranha - Gerry Conway, Ross Andru e Dick Giordano
A primeira vez que li sobre a existência de tal encontro foi numa seção de cartas da finada “Teia do Aranha”, da editora Abril, um leitor perguntou se era verdade que os dois haviam se encontrado, e a resposta do editor foi afirmativa. Fiquei doido pra ler aquela história!!! E por sorte do destino, algum tempo depois, a Abril Jovem republicou o encontro. Lembro que cheguei da escola, e só joguei a mochila em algum canto, e de uniforme corri para a banca da esquina (da qual eu era o melhor cliente), e peguei a edição. Voltei, deitei no sofá, e comecei a ler, e enquanto lia, voltava para a capa, pois não conseguia acreditar que aquilo era verdade (risos)!

09 – Sérgio Aragonés destrói a DC - Sérgio Aragonés e Mark Evanier
Se o Coringa falhou, Darkseid perdeu e Neron fugiu, Aragonés realmente conseguiu o que queria: arrancar boas gargalhadas na edição especial que foi vencedora do Eisner! Muito divertida, e desconstrói categoricamente o Universo DC (principalmente nos anos 90).

10 – Mônica – Os Azuis - Maurício de Sousa e equipe
Uma das primeiras histórias da Turma da Mônica que eu li foi “Os Azuis”. Essa história é bem antiga, e a turminha ainda possuía um traço mais “quadrado” e menos harmonioso do que estamos acostumados. Os personagens parecem mais altos e magros, quando a li, foi numa republicação para um Almanaque da Turma da Mônica, incluindo suas melhores histórias. “Os Azuis” apresenta uma trama em que a Mônica de repente acorda, e se descobre num mundo onde todas as pessoas são azuis, menos ela. A dentuça passa a história sendo humilhada por possuir uma pele estranha e laranja, e o único que lhe dá apoio é um velho mendigo. No fim, ela descobre que foi parar numa Terra alternativa, e tal. É uma história muito bacana que nos faz pensar desde pequenos em um tema pesado como o preconceito de forma muito hábil e sutil. “Os Azuis” foi até adaptado para desenho animado.

Quem Somos | Publicidade | Fale Conosco
Copyright © 2005-2020 - Bigorna.net - Todos os direitos reservados
CMS por Projetos Web