NewsLetter:
 
Pesquisa:

Aplausos para Domingos, no É Tudo Verdade 2009
Por Ruy Jobim Neto
01/04/2009

Maria Ribeiro e Domingos de Oliveira

Maria Ribeiro é belíssima, é pequenina e estava toda de amarelo. Ela fica menor ainda perto do altíssimo diretor do Festival É Tudo Verdade, Amir Labaki. Era a primeira noite paulista de exibição do longa-metragem Domingos, um delicioso documentário de 72 minutos sobre a vida e a obra do diretor Domingos de Oliveira, criador de obras como Juventude, Feminices, Amores, Separações e outros filmes.

O saguão do CineSesc, nesta noite de segunda-feira, 30/03, estava tomado e reunia pessoas como o diretor da Mostra Internacional, Leon Cakoff e o cartunista Jozz. Mas a noite era mesmo de Maria Ribeiro e do seu homenageado, Domingos de Oliveira. Ambos vieram com Priscilla Rozenbaum, do Rio, e Domingos engatou a leitura de um e-mail em que elogia a documentarista em seu primeiro (e bem sucedido) filme. A platéia ovacionou, no final da projeção, aplaudiu por um bom tempo.

No filme, Domingos fala das mulheres que amou, da filha, dos filmes e da fantasia do teatro. Leva a platéia a deliciosas risadas com suas frases feitas, seus conceitos sobre a morte, Deus, a vida. Leila Diniz, mulher que ele amou, trechos de filmes, os cinco casamentos (o atual, com a atriz Priscilla Rozenbaum, com quem está casado há 25 anos e que ganhou o Kikito de Melhor Atriz no Festival de Gramado pelo filme Carreiras, dirigida por Domingos), tudo é rememorado, relativizado, comemorado pelo diretor e roteirista de episódios de Caso Especial, da TV Globo nos anos 70, como Somos Todos do Jardim da Infância, título de uma de suas peças teatrais. Ele é tido, erroneamente, como “o Woody Allen brasileiro”, e fala dos cineastas do Cinema Novo, que achavam seu cinema totalmente alienado. Domingos cita suas influências – Jean-Luc Godard (pela liberdade do corte, da câmera, do roteiro, de não filmar planos de cobertura) e François Truffaut (pelo uso de música clássica em cenas cotidianas).

Na tela, estão desde Paulo José (ator de Todas as Mulheres do Mundo), a filha Maria Mariana (a autora, com Patricia Perrone, do livro Confissões de Adolescente que Domingos adaptou para o teatro e depois virou série televisiva), imagens de Leila Diniz e Joana Fomm e Isabel Ribeiro nos filmes, festas de aniversários, a neta, Priscila e amigos (entre eles João Ubaldo Ribeiro, Fernanda Torres, Pedro Cardoso), com direito a canjas de Letícia Sabatella e Carolina Dieckmann. Belo filme, tomara que percorra o circuito comercial. Uma película feita com extremo cuidado, carinho, alguma predisposição para o improviso (um dos diretores de fotografia é Lula Carvalho) e muito amor pelo biografado, um inveterado amante da vida. Maria Ribeiro está de parabéns. Aplauso pra ela!

Quem Somos | Publicidade | Fale Conosco
Copyright © 2005-2020 - Bigorna.net - Todos os direitos reservados
CMS por Projetos Web