NewsLetter:
 
Pesquisa:

“Meninos e gibis”: minha experiência com os quadrinhos
Por Elydio dos Santos Neto
11/07/2010

Marco Túlio Rodrigues Vilela, ou simplesmente Túlio, historiador e pesquisador de histórias em quadrinhos com excelentes trabalhos publicados, num dia desses apresentou-me uma crônica de Ivan Angelo, publicado na Revista Veja de 09 de dezembro de 2009 (disponível aqui), da qual gostei muito. Intitulada Meninos e gibis a crônica apresenta a memória e a reflexão de seu autor sobre o lugar dos heróis dos gibis, que lia em sua infância, em seu processo de formação, de modo especial no aspecto ético. Diz ele numa passagem da crônica:

Gibis abasteciam de ética o vasto campo da fantasia infantil, sem cobrar pela lição. Não era só por exigência da família, da escola ou da religião que os meninos tinham de ser retos e bons; eles queriam ser retos e bons – como os heróis. Viviam o bem na imaginação, porque o bem era a condição do herói. A lei e a ordem eram a regra dentro da qual transitavam os heróis. Eles eram o lado certo que combatiam o lado errado.

O cronista registrou um aspecto dos heróis de certo passado, não tão distante, que considero correto: parece que era mais simples, aos heróis daquele tempo, distinguir entre o certo e o errado, o bem e o mal. A realidade, porém, foi ficando cada vez mais complexa a nossos próprios olhos, a clareza se perdendo e, possivelmente, confundindo muitos leitores, na medida em que a percepção de nós mesmos e de nossa sociedade também foi ficando mais e mais complexa. Afirma o autor da crônica, continuando sua reflexão:

Atualmente não sei. Parei de ler gibis, só pego um ou outro da seção nostalgia. Nos anos 70 e 80, ainda surgiram heróis interessantes, mas alguns parecem cheios de ódio, como o Wolverine, ou vítimas confusas sem noção de bem e mal, como o Hulk, ou exilados freudianos, como o belo Surfista Prateado, ou presas possíveis da vaidade, como o Homem-Aranha. Complicou-se a simplicidade do bem. Na televisão, os heróis urram, gritam, destroem, torturam, estridentes como os arquiinimigos maléficos. Não são simples, e retos, e fortes, e afinados com seus dons, como os heróis clássicos; são complexos e dramáticos, e ambíguos, como ficou o mundo.

É verdade. Os heróis foram ficando mais complexos, revelando uma possível projeção de nossa atual percepção de nós mesmos, pois, afinal, como gosta de afirmar Edgar Morin, o estudioso da complexidade, somos ao mesmo tempo homo sapiens e homo demens, cheios de amor e de ódio, subjetivos e objetivos, seres da ciência objetiva e da crença ilusória. Se for verdade que estamos nas obras que produzimos, e penso que seja assim mesmo, então também é verdade que nossos heróis estão se modificando na medida em que o conhecimento que estamos elaborando sobre nós mesmos também vai se ampliando e fazendo emergir o tecido dos muitos fios que constituem nossa condição humana. Aliás, os heróis contemporâneos dos quadrinhos são, por isso mesmo, um interessante objeto de estudo para melhor compreendermos nossa própria condição. Então, no meu caso, Wolverine, por exemplo, não me desagrada nem me assusta, pois na minha percepção todos nós, de certa forma, “temos” um Wolverine dentro de nós. As histórias criadas pelos processos imaginativos dos roteiristas e desenhistas do mutante mal humorado, embora heróico, me ajudam a viajar nas possibilidades agressivas e afetivas que transitam dentro do meu próprio modo de ser. Mas, é verdade, este já é um movimento de nossa contemporaneidade conflituosa, insegura e incerta, embora rica de possibilidades positivas.

Quero, neste artigo, aproximar a idéia de experiência (ver neste site meu artigo A experiência com as histórias em quadrinhos invenção de nossas e a vidas), entendida como aquilo que nos passa, que nos acontece, que nos toca e que, portanto, nos modifica, a partir da lembrança dos gibis da minha infância, motivado pela leitura da crônica de Ivan Angelo.

Acredito que a leitura dos quadrinhos foram para mim verdadeira experiência e, de fato, um grande acontecimento que marcou, definitiva e inacabadamente, minha maneira de olhar para o mundo, para a vida e para mim mesmo. Muitos foram os personagens e heróis de quadrinhos que povoaram a minha infância, mas quero trazer aqui, a título de ilustração, apenas alguns. Talvez sejam aqueles que minha memória acessa mais rapidamente no “baú” do meu imaginário pessoal. Vou trazer algumas imagens destes personagens. Não estranhem se perceberem amassados, pequenos rasgos, marcas de durex ou rabiscos, pois fiz questão de escanear as imagens das revistas de meu arquivo pessoal, ou seja, dos materiais mesmos que trazem as marcas do uso de minha infância e adolescência.

Os primeiros heróis que me tocaram certamente foram os santos católicos apresentados nas biografias que a EBAL (Editora Brasil-América) trazia na Série Sagrada (Fig. 1). Meus pais haviam colecionado muitos exemplares nas décadas de 1940 e 1950. Estes exemplares chegaram até minha infância nos anos de 1960 e eu passei a admirar os “heróis de virtude” que lia naqueles quadrinhos, ainda que vários fossem de existência duvidosa, coisa que somente muito mais tarde vim a saber.

Não podia imaginar, naquele tempo, que os quadrinhos já vinham sendo violentamente atacados e que Adolfo Aizen, Diretor-Presidente da EBAL, empenhava-se valorosamente para mostrar que eles podiam participar da boa formação das crianças e jovens brasileiros. Gonçalo Júnior, em seu A guerra dos gibis, conta muito bem esta história.

Um pouco depois, vieram os heróis não religiosos, mas envolvidos numa cruzada contra o crime e contra o mal. O primeiro deles: Fantasma (Fig. 2), o espírito-que-anda, que deixava a marca da caveira para sempre nos corpos dos fora-da-lei. Era temível na cidade, como Walker ao lado de Diana, ou na selva ao lado de Guran, Capeto e do cavalo Herói. Em meu imaginário ficaram a Caverna da Caveira e os livros com as Crônicas dos Fantasmas anteriores bem como a percepção do compromisso passado de geração a geração e a fidelidade para com uma tarefa assumida. Gostava especialmente daqueles episódios em que o atual Fantasma ia à biblioteca que guardava as crônicas e rememorava, pela narrativa registrada, trechos das histórias de vida de seus antepassados. Já se encontrava ali talvez, embora não tivesse mínima consciência disto, o meu amor e interesse pelas histórias de vida, um dos meus objetos de estudo e método de trabalho na educação como pesquisador.

Afeiçoei-me também a outros personagens. Graças à EBAL pude ler Flash Gordon (Fig. 3), herói preferido de meu pai, e suas aventuras no Planeta Mongo ao lado de Dale Arden e do Dr. Zarkov, em tramas que envolviam poder político, ciência, luta pela liberdade, generosidade e romance. Adorava esta combinação de um personagem audacioso, inteligente e corajoso com a de outro que trazia conhecimento científico, estudo e sabedoria. E gostava também do romance que era vivido, obviamente, em características muito idealizadas, sem os conflitos neuróticos se compararmos ao que vivenciamos hoje. Para mim, naquele momento histórico, em meu contexto de vida, entretanto, o romance vivido daquela forma me fez bem e de alguma maneira me formou. É bem verdade que, na idade em que estou, já precisei rever todos os meus conceitos sobre ser homem, mulher, romance, casamento, sexo. Isso, porém, não tira a rica experiência que vivi naquele tempo.

E com a EBAL também conheci os quadrinhos de Tarzan, Batman e o Judoka. Gostava muito do Tarzan (Fig. 4) desenhado por Joe Kubert, pois seu traço, ao mesmo tempo firme e solto, ajudavam a compor uma atmosfera de liberdade, de comunhão com os viventes na natureza, de luta pela justiça e constância na defesa de uma opção realizada: ficar na selva e defender a vida. Batman (Fig. 5) me atraiu, e até hoje gosto dele, porque sempre o vi como um personagem ao mesmo tempo sombrio e luminoso. Mesmo antes do famoso trabalho de Frank Miller com o Cavaleiro das Trevas, onde esta dualidade foi brilhantemente trabalhada. Já o Judoka (Fig. 6) – o brasileiro e não o norte-americano – me atraía porque em minha infância e adolescência fui lutador de judô (tendo chegado à faixa marron!) e, portanto, me identificava com o lutador, mas também, e talvez principalmente, porque era um herói brasileiro e os anos da década de 1970 foram anos no qual se falava muito na necessidade de reconhecimento do trabalho dos desenhistas e criadores brasileiros. Gostava de ver o revezamento dos desenhistas que trabalhavam nas histórias e foram vários os que as desenharam.
Esta admiração me fez comprar o livro escrito por Fernando Ikoma, A técnica universal das histórias em quadrinhos (Fig. 7), publicado pela Editora Edrel e a desejar tornar-me desenhista da noite para o dia, desejo que obviamente não se realizou.

Finalmente, não posso deixar de lembrar aqui uma equipe pela qual rapidamente me apaixonei: o astrônomo Antares, a psiquiatra Alfa, o guarda-costas Taurus, o “extra” de cinema Argo e a atriz Libra. Os cinco compunham a equipe reunida por Infinitus no lindo desenho do espanhol Esteban Maroto, daí o nome Cinco por Infinitus (Fig. 8). Sua tarefa, à qual foram convidados, era salvar a Terra e outros planetas da destruição que assolou o próprio planeta de Infinitus em função de um desequilíbrio entre o desejo e o desenvolvimento tecnológico, aliás, tema de estupenda atualidade para nossa comunidade humana planetária.

Esta rápida passagem por estes heróis me faz perceber, agora, que entrar no mundo das histórias em quadrinhos foi uma experiência que me permitiu: desenvolver o gosto por ler narrativas de aventuras num artefato cultural popular e, ainda, percorrer imagética e imaginariamente o ciclo do herói, como definido pelo estudioso de mitologia Joseph Campbell; apaixonar-me pelo desenho e, muito tempo depois, compreendê-lo como uma forma de dizer o mundo; colecionar histórias em quadrinhos e sentir o gosto inigualável de adquirir um novo exemplar com a continuidade de uma história ou com uma nova história; e, por fim, estudar as histórias em quadrinhos como uma espetacular forma de arte e comunicação.

Hoje, como professor e pesquisador, sigo, a meu modo, acreditando na utopia de uma vida humana melhor. Agradeço a Marx, Ernst Bloch, Paulo Freire e Teilhard de Chardin por isso, por mais estranho que esta posição pareça àqueles que defendem certo tipo de pós-modernidade. Mas agradeço também às histórias em quadrinhos e aos heróis que vivem em meu imaginário, tomaram parte na constituição de meu ser, subjetivo e objetivo, e que me ajudam a não desanimar da idéia de que podemos ser melhor do que somos e, ainda, construir um outro mundo. Menino fiz uma experiência com os gibis, experiência que me faz dizer com Paulo Freire: “mudar é difícil, mas é possível!”.

Quem Somos | Publicidade | Fale Conosco
Copyright © 2005-2020 - Bigorna.net - Todos os direitos reservados
CMS por Projetos Web