NewsLetter:
 
Pesquisa:

Vamos falar de Rian
Por Ruy Jobim Neto
12/04/2006

Nair de Teffé, ou Rian

Não podemos esquecê-la! Nair de Teffé, ou simplesmente Rian, foi a nossa primeira caricaturista. Na realidade, essa atividade, o ser “caricaturista” nem existia à época dela. E estamos falando da Belle Èpoque, a passagem do século XIX para o século XX.
 
Os antepassados de Nair de Teffé formam uma narrativa curiosa. Foi o avô paterno dela, um alemão, que se tornou amigo de D. Pedro I, quando ambos se encontraram a cavalo numa praia carioca, e que ganhou a partir daí a amizade imperial e o primeiro título nobiliárquico da família. Quando o Imperador retornou a Portugal para se tornar D. Pedro IV, o avô caiu em desgraça na nova estrutura social da Corte. O pai dela, por sua vez, foi inclusive patrono de um aeronauta contemporâneo a Santos-Dumont, e cuja fama nunca alçou os livros escolares. A infância de Nair foi na cidade de Petrópolis. Lá, ela teve seus primeiros contatos com a música e o teatro. Ela tinha uma excelente voz e atuava muito bem. Houve peças de teatro escritas sob medida para o talento da moça. Nair tocava violino e piano com a mesma excelência. E, além disso, praticou pintura durante um bom tempo, o que determinou boa parte de sua carreira e fama.
 
Tendo nascido no Rio de Janeiro, em 1886, Nair era filha do famoso Barão de Teffé (que virou nome do navio oceanográfico da USP) e pôde estudar em Nice e em Paris, na França. O espírito livre e inquieto a direcionou logo cedo para o desenho. Em 1905, ela freqüentou a então conceituadíssima Académie Julian, uma escola de Belas Artes fundada por Rudolf Julian basicamente para homens. Quando as meninas começaram a ter aulas na escola, suas mensalidades eram infinitamente mais caras que as dos rapazes, e mesmo os prêmios concedidos a elas nos concursos anuais de artes plásticas valiam menos que os deles. Preconceito a céu aberto, mas enfrentado com brio. Em seus anos de Europa, Nair pôde desenhar as mulheres, os homens, a sofisticação parisiense, quase ao mesmo tempo em que outro grande pintor fazia o mesmo com as noites boêmias de Montmartre: Toulouse Lautrec. Nossa caricaturista esteve em Paris ao mesmo tempo em que Santos-Dumont fazia seus primeiros experimentos balonísticos. O aeronauta fez voar o 14 Bis enquanto Nair também se encontrava na capital francesa.
 
Retornando ao Brasil, Nair de Teffé trabalhou em vários órgãos da Imprensa brasileira da época. Publicou centenas de desenhos, número que não ficava a dever para nenhum outro artista contemporâneo, haja vista a produção intensa de desenhistas como Angelo Agostini, J. Carlos e Belmonte. Nair pode ter perfeitamente conhecido Agostini, pois ele havia falecido em 1910, depois, portanto, que ela tivesse começado a desenhar para O Malho. Por sua vez, Nair foi contemporânea de O Tico-Tico, o primeiro jornal semanal com quadrinhos da nossa História. Foi o momento da caricaturista (e moça de família nobre) esboçar a Capital Federal onde havia nascido. Em 1909, portanto, Nair publica pela primeira vez na revista Fon-Fon, de humor. Era a grande cronista-mulher das figuras femininas da alta sociedade carioca. Plena de verve, ela se afeiçoou à vida boêmia carioca, tendo conhecido figuras como a maestrina Chiquinha Gonzaga, entre tantos outros. Em 1910, ela expõe na Galeria das Elegâncias uma série de caricaturas. Foi um momento intenso de produção. Nair colaborou com publicações parisienses como Fantasio, Le Rire e Fémina, além de ter ilustrado livros para a Inglaterra (como The Beautiful Rio de Janeiro, de Alfred Grey Bell, impresso em Londres no ano de 1914).
 

Rui Barbosa no traço de Rian

Se em 1912, ela realiza uma exposição individual com 200 caricaturas no Salão do Jornal do Comércio, no Rio de Janeiro, no ano seguinte Nair se casa, aos 27 anos, com o então Presidente da República, o marechal Hermes da Fonseca, que estava com 56 anos e se encontrava viúvo à época. O traço ágil de Nair (ou Rian, como ela assinava) soube captar perfeitamente o detalhe escondido, recôndito, capaz de sublinhar o caráter da artista, ou melhor, multi-artista. Ela não passou despercebida. Um dos episódios mais deliciosos de sua vida foi quando arrepiou os fios de cabelo do grande orador Rui Barbosa, que era congressista, quando houve uma recepção a cônsules e autoridades estrangeiras no Palácio do Catete, sede do governo. Nair, como toda Primeira-Dama, deveria antes de tudo tocar alguma peça de Chopin ou Liszt ao piano. Por sua vez, a moça não se dá por rogada e dedilha, num violão, nada menos que o maxixe O Corta Jaca, de autoria de Chiquinha Gonzaga. Um escândalo! Um instrumento musical como o violão era considerado popular, coisa de baixa categoria. Algo para somente alguém como Policarpo Quaresma defender.

Espírito livre e irreverente, Nair de Teffé conseguiu outro feito absolutamente delicioso quando, numa reunião ministerial presidida pelo marido, ela irrompeu na sala trajando um vestido cuja roda da saia ostentava caricaturas de todos os Srs. Ministros de Estado! Poucos anos depois, ela ficaria viúva do marechal e nunca mais se casou. Tendo, enfim, vivido uma existência longuíssima, no final de 1959, Nair de Teffé retornou à caricatura. Desenhou praticamente todos os presidentes, de Hermes da Fonseca aos primeiros governos militares, durante a Ditadura. Era uma mulher belíssima na juventude, cortejada por homens, inteligente, alegre e brincalhona. Uma “espoleta”. Daquelas mulheres literalmente adiante de seu tempo.
 
Morreu no dia do seu próprio aniversário, em 1981, em Niterói, onde há inclusive um museu em sua homenagem, guardando parte de seus objetos e desenhos. Não teve filhos, mas adotou crianças e teve vários animais de estimação. 

 Do mesmo colunista:
Plim-plins: Por quais globais os sinos tocam?

Patoruzito: E o Mercosul que não acontece...

Animação: O dia de conspirarmos contra a conspiração

O projeto que não se completa

Comédia. A fronteira final (parte 3)

Comédia. A fronteira final (parte 2)

Comédia. A fronteira final (parte 1)

Kika e Airon: nem toda donzela tem um pai que é um fera

Os múltiplos traços de Sergio Morettini

Miécio Caffé - a memória em nanquim (uma crônica possível)

A animação brasileira à beira do esquecimento?

O mundo batráquio de Ran, de Salvador Messina

Quadrinhos de Arte por Roy Lichtenstein

Os Homens da Central de Tiras, um review

A nova fantasia do mestre Miyazaki

Quadros de ontem e de hoje

Canini trazido à baila. Mas falta exatamente Canini

Quem Somos | Publicidade | Fale Conosco
Copyright © 2005-2017 - Bigorna.net - Todos os direitos reservados
CMS por Projetos Web