NewsLetter:
 
Pesquisa:

Literatura Brasileira em Quadrinhos
Por Bira Dantas
16/10/2006

Quadrinizar romances e contos brasileiros não é nenhuma novidade. Editoras como La Selva (publicou contos de Eça de Queiroz no traço formidável de Eduardo Teixeira Coelho e capas de Jayme Cortez, tenho três exemplares da década de 50) e Ebal (Amazônia Misteriosa, Menino de Engenho, Ubirajara, A Moreninha, etc., no traço de André Le Blanc, Manoel Victor Filho, Ivan Wasth Rodrigues e outros monstros sagrados do Quadrinho Brasileiro) marcaram época e fizeram a cabeça de muitas crianças e adultos. Há cerca de dois anos, a Escala Educacional vem trazendo os traços criativos de Francisco Vilachã e Jô Fevereiro na Coleção Literatura Brasileira em Quadrinhos. Em suas páginas desfilam grandes textos da nossa literatura apresentados na forma ágil e certeira dos Quadrinhos. Podem ser adquiridos através do site da editora.

Fui convidado pelo meu velho amigo "Vila" para desenhar a versão de Memórias de um sargento de milícias, de 64 páginas, sendo 56 de quadrinhos. Deve circular a partir da primeira quinzena de novembro, em bancas de jornal e livrarias de todo o país. O projeto é inovador. Não alteramos o texto original, adaptamos o volume de informações para caber na revista, mas mantemos a escrita original do autor. Está sendo uma experiência incrível. Primeiro porque uma HQ de mais de 50 páginas requer fôlego para produzir. Segundo porque o texto do Manuel é muito engraçado. O autor no site Mundo Cultural: "Filho de pais humildes, Manuel Antônio de Almeida nasceu no Rio de Janeiro em 1831. Formou-se em Medicina, porém não exerceu a profissão porque era jornalista por excelência. Entre 1852 e 1853 publicou, em folhetins, a obra Memórias de um sargento de milícias. Em 1857 foi nomeado diretor da Tipografia Nacional. Nessa função, ficou conhecido por ter dado emprego a um jovem pobre e mestiço chamado Machado de Assis. Em 1861 morreu tragicamente no naufrágio do navio Hermes, enquanto fazia campanha para eleger-se deputado federal. Segundo o historiador Elisio Gomes Filho, em sua obra, Morte no Mar, essa informação não corresponde com a verdade, pois o escritor o escritor não se deslocou para Campos a fim de fazer ‘campanha para eleger-se Deputado Federal’. Na realidade ele estava atuando na ‘inspetoria intinerante da escola na Província’, como assim revela Quintino Bocaíúva, com quem mantinha correspondência regular. Manuel Antônio de Almeida é considerado um homem de transição entre o Romantismo e o Realismo. Isso se dá porque sua obra, apesar de apresentar convenções do Romantismo, já traz algumas características do movimento que estava por vir, como, por exemplo, os personagens não idealizadas, ou seja, mais próximos do real, e linguagem mais simples e popular, se comparada, à outros escritores do mesmo período”.

Aqui vai uma amostra do material colorizado digitalmente pelo meu amigo e também professor da Pandora, Maurílio DNA.

Clique nas imagens para vê-las ampliadas

Título: Memórias de um sargento de milícias
Autor: Manuel Antônio de Almeida
Roteiro: Indigo
Desenhos e arte-final: Bira Dantas
Cores: Maurílio DNA
Formato: 17 x 24 cm
Acabamento Lombada Canoa
Papel Revestido
Impressão 4 cores
Complemento: Suplemento de atividades
Assunto: Vida em sociedade
Tema Transversal: Ética
Interdisciplinaridade: Filosofia

Resumo da obra:
Leonardo Pataca gostou do que viu e pisou no pé de Maria da Hortaliça. Ela devolveu o agrado com um beliscão. Esse foi o início do namoro dos dois portugueses que vinham de navio ao Brasil. Logo, já nas praias do Rio de Janeiro, nasce o herói do único romance de Manuel Antônio de Almeida: Leonardo, o primeiro malandro da literatura brasileira, o sargento de milícias, capaz de se safar ao caminhar na borda entre o lícito e o ilícito, o certo e o errado.

Fazem parte da coleção obras ilustradas por Francisco Vilachã e Jô Fevereiro como: O Alienista, Um músico extraordinário, O enfermeiro, Uns braços, A cartomante, A nova Califórnia, A causa secreta, Miss Edith e seu tio, O homem que sabia javanês, O Cortiço e Brás, Bexiga e Barra-funda.

 Do mesmo Colunista:

A Arte e seu engajamento político

Campinas retratada em treze cartuns bem-humorados

Quadrinhos musicais franceses: Nocturne, de enlouquecer qualquer um!

Fizzers, a Exposição de Caricaturas na Escócia

Bira em Londres - o Museu do Cartum

O Sétimo Encontro Internacional de Quadrinhistas e Cartunistas na Coréia

Quem Somos | Publicidade | Fale Conosco
Copyright © 2005-2017 - Bigorna.net - Todos os direitos reservados
CMS por Projetos Web